Rádio Campo Maior AM
Canudos FM
SM Publicidade
Fundação Canudos
Quixeramobim
Fale Conosco
Você concorda com o aumento no número de vereadores em Quixeramobim nas eleições de 2020?




 
Sexta-feira, 24 de março de 2017.
Clique aqui para ouvir nosso Jingle
No ar: Manhã 106
No ar: Cidade em Campo
 
 
 

Bruno Paulino
Membro da Academia Quixadaense de Letras. Autor dos livros “Lá nas Marinheiras e outras crônicas” (Imprece, 2012) e “A Menina da Chuva” (Premius, 2013)


 

O escritor dos mares
   
Faz uma semana que estou lendo ''Chão de Mínimos Amantes'' (1961) do quixadaense Moacir C. Lopes. Logo depois vou iniciar do mesmo autor a leitura de ''Maria de Cada Porto'' (1959), e, de antemão repasso para quem quiser adquirir as obras do escritor do Mares, como é conhecido o ex-marinheiro Moacir – muito embora tenha nascido no sertão, e sua obra não caiba em rótulos -  a dica que no sebo da estante virtual (www.estantevirtual.com.br) encontra-se facilmente toda obra dele a preço de banana como costumava-se dizer antigamente - é claro, que isso dizia-se antes da invenção dessa tal de inflação.

Na verdade não lembro bem quem me apresentou a literatura de Moacir C. Lopes, se foi um professor, ou ainda um amigo, sei que me interessei por conhecer seu trabalho quando soube que o mesmo era autor de “A Ostra e o Vento” (1974), livro consagrado pela critica (nacional e estrangeira) que acabou virando filme pelas lentes de Walter Lima Junior, com música homônima de ninguém menos que Chico Buarque, que eu, buarqueano de carteirinha já conhecia, mas não sabia, no caso dessa canção especificamente da relação com a obra de Moacir.

Tempos depois para minha surpresa maior, o gosto por devorar a obra de tal autor cresceu quando pesquisando sobre a literatura que envolve Antônio Conselheiro e Canudos, na Biblioteca Pública Ismael Pordeus, de Quixeramobim, deparei-me com o volume do romance “A Ressurreição de Antônio Conselheiro e seus 12 apóstolos” (2007), também assinado por Moacir C. Lopes, demonstrando assim, a versatilidade desse valoroso homem de letras, que tem ainda no currículo uma minibiografia do imperador romano Calígula, dentre outras publicações relevantes, das quais se insurge o estudo “A situação do Escritor e do Livro no Brasil” (1977).

Bom, tomo como motivo de alegria e orgulho que um nome desse quilate e qualidade literária, representante honrosamente a língua portuguesa, e seja muito estudado, e, valorizado fora de seu país de origem, destaco, por exemplo, que nos Estados Unidos existam várias publicações e estudos a respeito do trabalho de Moacir C. Lopes. Porém, é dez vezes mais triste constatar que o mesmo, seja na verdade um ilustre desconhecido no seu próprio quintal (Quixadá, Ceará e Brasil). O caso é que, de fato ''é preciso conhecer pra gostar... '', como me disse certa vez o também escritor quixadaense João Eudes Costa, que teve seu romance ''Escravos da Terra Seca'' (2004) prefaciado por Moacir, que era seu parente.
Hoje eu não tenho dúvida da veracidade das palavras de João Eudes Costa, pois quanto mais conheço a literatura do escritor dos mares, mais aumenta em mim o gosto por perder-se nas profundezas oceânicas de seus personagens.

Bruno Paulino é autor de “Lá nas Marinheiras e outras crônicas’’ e membro da Academia Quixadaense de Letras.

  imprimir
enviar para um amigo 
voltar
Outros Artigos:
 
 
 
 
Sistema Maior de Comunicação
Rua Monsenhor Salviano Pinto, 507 – Centro CEP 63800-000 Quixeramobim – CE
Fones: (88) 3441.0263 / 3441.1178 Fax: (88) 3441.1209 - E - mail: contatomaior@sistemamaior.com.br
Copyright © 2006-2017  - Todos os direitos reservados