Rádio Campo Maior AM
Canudos FM
SM Publicidade
Fundação Canudos
Quixeramobim
Fale Conosco
Você concorda com o aumento no número de vereadores em Quixeramobim nas eleições de 2020?




 
Segunda-feira, 26 de junho de 2017.
Clique aqui para ouvir nosso Jingle
No ar: Experiência de Deus
No ar: Cidade em Campo
 
 
29/10/2009
Sobre camelos passados e o presente dos tamarindos

Quem não lembra ou ouviu falar do carnaval? Em 1995 a Escola de Samba Imperatriz Leopoldinense foi campeã carioca com o samba de enredo da carnavalesca Rosa de Magalhães:”Mais vale um jegue que me carregue,que um camelo que me derrube...lá no Ceará” A Escola trazia a lembrança da “Expedição Redentora” do Nordeste, idealizada por D.Pedro II.

Lembram que tal Escola foi bancada pelos cofres públicos do nosso Estado? Tal enredo retratava a saga vivenciada pela grandiosa  Comissão Científica de Exploração, iniciativa do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro (IHGB), enviada à circunscrição do Ceará.

A comitiva foi enviada pelo Imperador do Brasil à província do Ceará, em 1859, com o objetivo de detectar as reais causas da seca, que desde já muito  incomodava essas bandas do Norte, como era conhecida essa região. A expedição era composta por vários cientistas, dentre eles o conhecido poeta e historiador Gonçalves Dias e o geólogo Guilherme de Capanema.

Uma das alternativas para se combater o efeito desse flagelo seria a importação de camelos vindos da Argélia, visto que esses animais suportavam grandes cargas e, numa boa marcha, superariam longas distâncias, resistindo à fome e à sede, aptos a vararem pelos nossos sertões. A introdução e a aclimatação dos camelos e dromedários foram feitas por quatro mouros, especialmente treinados para acompanharem o empreendimento e tratar dos animais.

O destino dos 14 camelos seria dividido, metade do grupo para Quixeramobim e o outra metade para Canindé, que antes iria para Sobral. Provavelmente o tamarindeiro - e não a tamareira - foi aqui aclimatado e cultivado, servindo as folhagens como fonte de alimento, visto que esse vegetal é oriundo de regiões de clima quente. Originários da África Equatorial e da Índia, os árabes a chamavam tâmara da Índia, em referência à polpa muito parecida com a da tâmara.

Aqui em Quixeramobim ainda existem esses tamarindeiros, agora centenários. Porte e sombra ornamentam e embelezam a cidade. Porém, ultimamente, elas têm sofrido a ação criminosa de pessoas que só pensam em mostrar a fachada de suas megalomanias. Como só temos isoladamente o Ministério Público, as árvores históricas estão sendo derrubadas ou decepadas diante dos olhos dos poderes constituídos e das instituições de preservação ambiental, no caso o Ibama. Até agora as mesmas nada fizeram para proteger e preservar as referidas árvores da devastação.

Voltando à Comissão Imperial,  apesar dos entusiasmos houve total fracasso da experiência e um prejuízo de mais 20 contos de réis para os cofres públicos da Província do Ceará. Os camelos e dromedários que foram enviados a Canindé e Quixeramobim não se adaptaram ao solo e ao clima local. Quase todos morreram de doenças nos cascos, além de vitimados pela lepra, o que pôs um fim o audacioso empreendimento do ”navio do deserto”, novamente substituído pelos sagrados e consagrados jumentos.

Restando os tamarindeiros como testemunha de uma história dentre tantas já vividas nesse sofrido sertão, servindo de fomento para outras histórias. Ainda que na passarela do Sambódromo, misturando, como diz a letra do samba-enredo, sonho, fantasia e ilusão.

Postado por: Antonio Carlos da Cruz - Professor e Integrante do Conselho Fiscal da ONG Iphanaq (ant.carloscrus@hotmail.com)

  imprimir
enviar para um amigo 
voltar
 

4 Comentários

por Célia, em 05 de Novembro de 2009 as 00:27
Querido amigo, parabéns, você realmente me surpreende com tamanha sabedoria, pois a salvação do nosso plansta é que ainda existe pessoas com a capacidade de nos levar a reflexões tão importante sobre a nossa historia, como essa. Infelizmente a falta de amor e de zelo pelas raizes históricas de um povo, faz com que as pessoas não valorizem um patrimônio natural que só embeleza e traz vigor, como é caso dos tamarindos no centro da nossa cidade. Um abraço e tenha certeza, nossa história precisa de pessoas com sentimentos iguais aos seus.
por Osvaldo, em 04 de Novembro de 2009 as 08:58
Guaras-my-life, excelente texto!!! Acho que os tamarindos são, para alguns conterrâneos, vozes incômodas soprando espalhando verdades no vento: -"vocês são pó e ao pó voltarão", - Derruba esta!!!; -"Deves uma morte à natureza", derruba essa também; " no meio do caminho tem uma árvore", e aquela também!!! (...) E a molecagem do Séc. XIX batizou a expedição de borboleta!!! Expedição Borboleta!rsrsrsrs. Taí um tema pra letra.
por Vianey, em 02 de Novembro de 2009 as 18:52
Parabéns amigo Antonio Carlos. A História dos tamarineiros e camelos só nos faz lembrar que não adianta importarmos idéias ou espécies de outras regiões. A solução para nossos problemas está mais próximo do que sempre imaginamos. Às vezes tão perto que não conseguimos enxergar. Somente a título de exemplo, as nossas espécies nativas da caatinga encontram-se ameaçadas de extinção ou mesmo esquecidas antes mesmo de serem estudadas, como é o caso do cumaru (Amburana cearensis), cuja pesquisa desenvolvo aqui mesmo na nossa terrinha. Mais detalhes podem ser vistos no site do COMDEMA de Quixeramobim, publicado em abril de 2009. Sugestão: entrar no blog do COMDEMA de Quixeramobim e pesquisar a palavra CUMARU.
por Neto Camorim, em 01 de Novembro de 2009 as 01:30
sua capacidade de escrever assuntos importantes da vida cultural e social da cidadeé que torna seus textos interessantes. Mas com o tempo fui encontrando alguèm capaz de direcionar para aquilo que mais dar trabalho. Espero quer dê tudo certo e seu talento seja uma constante em sua vida. Um grande abraço!

Deixe seu comentário



Outros:
 
 
 
 
Sistema Maior de Comunicação
Rua Monsenhor Salviano Pinto, 507 – Centro CEP 63800-000 Quixeramobim – CE
Fones: (88) 3441.0263 / 3441.1178 Fax: (88) 3441.1209 - E - mail: contatomaior@sistemamaior.com.br
Copyright © 2006-2017  - Todos os direitos reservados