Rádio Campo Maior AM
Canudos FM
SM Publicidade
Fundação Canudos
Quixeramobim
Fale Conosco
Você concorda com o aumento no número de vereadores em Quixeramobim nas eleições de 2020?




 
Domingo, 30 de abril de 2017.
Clique aqui para ouvir nosso Jingle
No ar: - -
No ar: - -
 
 
27/10/2012
Grupo de leitura “Sertões E Memórias” concluem o estudo da travessia do cambaio

Dando sequência ao estudo da obra “Os Sertões” de Euclides da Cunha, o grupo de leitura “Sertões e Memórias”, se reuniu no último dia 10 de outubro, na casa de Antonio Conselheiro e avançou na leitura do volume “Da Luta”. Neste encontro foi estudada a travessia do Cambaio.

Durante essa operação de guerra as forças militares novamente enviadas a lutar contra Canudos montaram suas bases em Monte Santo, povoado considerado mais desenvolvido por aqueles sertões naquela época, além de permitir uma comunicação mais rápida com o litoral, por intermédio da estação ferroviária de Queimadas, cidade de maior porte na região naquele período.

De fato, tal estratégia aliada a outros fatores, como, única vila com fonte de água perene na região, sublevações rochosas e caminhos que parecem esboço de um deserto, fez de Monte Santo o quartel general dessa expedição organizada para arrasar Canudos, e seus ditos fanáticos. Todas as estratégias traçadas tornavam-se limitadas diante das adversidades geográficas do sertão do norte baiano. Mesmo com todas as dificuldades, os soldados muitas vezes agonizavam pelo desapontamento doloroso da região e ao mesmo tempo, tinham que avançar em busca do triunfo glorioso, pois seria o reconhecimento nacional dizimar esse bando de sertanejos.

Destruir esses rebeldes a ferro e fogo sempre foi o maior objetivo. Era preciso um grande exemplo e uma lição a esses “criminosos retardatários”. Era preciso que saíssem da barbárie e entrassem na civilização. O exemplo teria que ser dado, isso era convicção geral da tropa.

Mesmo com tanto certeza da vitória, de maneira geral, subestimaram a derrota dos ditos fanáticos. Segundo Euclides da Cunha, “a certeza do perigo estimula-as. A certeza da vitória deprime-as”. E foi nesse misto de perigo e certeza do sucesso desse confronto sanguilonento e estarrecedor, que o comando da operação ficou imobilizado quinze dias em Monte Santo. Escassez de comida, condições precárias para o transporte de armas e munições, enfim, dificuldades de se locomover por desconhecer a região, fez à medida que se aproximavam de Canudos, que se tornassem mais desarmados e fragilizados. A derrota nestas condições seria inevitável.

Para Euclides da Cunha “as forças dispersas em marcha, a partir da base das operações deviam ir pouco a pouco, apertando os fanáticos, a concentrar-se em Canudos. Fez-se sempre o contrário.
Partiram unidos, em colunas, dentro da estrutura maciça das brigadas. Avançaram embalados pelos caminhos afora. Iam dispersar-se repentinamente em Canudos
”. Foi nessas condições desfavoráveis que partiram a 12 de janeiro de 1897 de Monte Santo e seguiram a estrada do Cambaio em direção a Canudos.

A Serra do Cambaio é repleta de morros cuja estrutura se desvenda em pontiagudas pedras e blocos em alinhamentos caprichosamente repartidos que mais parecem grandes cidades mortas, onde o matuto passa medroso mesmo sendo de cavalo em disparada, imaginando lá dentro uma população silenciosa e trágica de almas do outro mundo”. Destacou Euclides da Cunha.

É deste conjunto de serras, cheios de medos e superstições, que se vêem perto da estrada de Jeremoabo, o caminho para Bom Conselho. E foi por ali que a tropa enfiou-se em direção a Canudos. Caminhavam vagarosamente sem aprumo, emperrados pelos canhões onde se revezavam soldados em auxílio aos animais quase impotentes à tração em declives.

Foi nesta situação deplorável que o inimigo atacou de surpresa. Apareceram os jagunços, e de repente dispararam tiros. Toda a expedição caiu de ponta a ponta, debaixo das trincheiras do Cambaio. A retirada tornou-se urgente e inevitável. As condições da tropa naquela circunstância eram desfavoráveis. O recuo foi a salvação.

Mesmo assim, antes da retirada total da tropa, fizeram um ataque visando destruir o arraial. Travaram um conflito em Tabuleirinho, com tiroteios intensos alarmando todos os habitantes de Canudos. Inclusive os mais valentes. Neste cerco, João Abade reuniu cerca de seiscentos homens válidos que ainda tinham de resto, para lutar em defesa do Belo Monte. Foi um conflito desolador. Os jagunços viam os companheiros caírem mortos colhidos pelos tiros do inimigo disparados ininterruptamente.

Por alguns momentos, perdeu-se a esperança de alguém sobreviver naquela batalha, bem como, o encanto por Conselheiro. Ali estaria em breve acontecendo a derrota dos últimos defensores de Canudos. Segundo Euclides, “o povo ingênuo perdeu, em momentos, as crenças que o haviam empolgado”. Bandos de fugitivos saíram do arraial atravessando repentinamente becos e a praça, demandando pela caatinga. Enquanto as mulheres em gritos, clamando numa algazarra indefinível, implorando à porta do Santuário a presença de Conselheiro, que subiu com meia dúzia de fiéis para a parte alta da Igreja Nova, e depois retirou a escada.

Os fiéis agitados ficaram embaixo chorando e rezando, sequer observou Conselheiro atravessando impaciente sobre as tábuas do andar de cima. Neste momento sobreveio a notícia de que a tropa recuava. Também estavam sem condições de prosseguir no combate. Para os sertanejos, foi um milagre do Bom Jesus Conselheiro. Assim entenderam os fiéis seguidores que ainda restavam. Como diz Euclides, “a desordem desfechava em prodígio”.

Após mais um embate violento, começara de fato, a retirada do major Febrônio de Brito. Soldados famintos, muitos feridos, estropiados mal carregavam as armas. E os jagunços ainda existentes, ao perceberem o movimento da tropa o alcançaram liderado pela ferocidade de Pajeú, destruindo soldados pelas caatingas.

A partir dessa ação dos jagunços, a expedição perdera toda a estrutura militar. Oficiais e soldados foram destruídos pelo mesmo sacrifício. E os que escaparam dos ataques tiveram de penetrar novamente pela travessia do cambaio, enfrentando encostas, abismos e trincheiras em todo o percurso da retirada indesejada.

Ao chegarem após três horas de marcha, a Bendegó de Baixo, foram as tropas beneficiadas pelo relevo desse lugar. Pequenos planaltos que desembocam numa estrada permitindo possibilidades de defesa.

Quando se achava que tinham acabado as provações, um incidente providencial completou aquele momento. Assustado talvez pelas balas dos jagunços e soldados que deixaram um saldo de vinte mortos, um rebanho de cabras invadiu o acampamento dos sertanejos famintos. Foi uma diversão feliz. Homens exaustos correndo para pegar os velozes animais para saciarem a fome após dois dias de jejum. Uma hora depois, agachados em torno das fogueiras, comeram carnes apenas sapecadas. Mas era o que tinha.

A expedição derrotada prosseguiu para Monte Santo. Não havia um homem válido. A chegarem ao vilarejo a população os recebeu em silêncio.

Os jagunços, naquele mesmo dia, à tarde, animaram-se de novo pelas encostas do cambaio. Lentamente caminhando em direção a Canudos, extensa procissão surgia pelas serras. Os sertanejos retornavam para o arraial, carregando aos ombros em jiraus de paus roliços amarrados com cipós, os cadáveres dos mártires da fé.

O fúnebre cortejo seguia para Canudos. Os sertanejos que resistiram aos conflitos seguiram os caminhos de seus mártires. Eles morreram em defesa do projeto liderado por Conselheiro e os que ficaram continuavam com seus ideais, horas acesas, horas apagadas, vivendo a cada instante, momentos de tanta incerteza. Era preciso buscar força e coragem e alimentar a fé no que dizia Conselheiro para enfrentar a próxima expedição que tinham certeza que viria. E veio. Seria a terceira, comandada pelo afamado “corta cabeça”, Coronel Moreira César. Até o próximo encontro de estudo de “Os Sertões”.
Postado por: Neto Camorim- Historiador e integrante da Ong. Iphanaq netocamorim@gmail.com

  imprimir
enviar para um amigo 
voltar
 

Nenhum Comentário

Deixe seu comentário



Outros:
 
 
 
 
Sistema Maior de Comunicação
Rua Monsenhor Salviano Pinto, 507 – Centro CEP 63800-000 Quixeramobim – CE
Fones: (88) 3441.0263 / 3441.1178 Fax: (88) 3441.1209 - E - mail: contatomaior@sistemamaior.com.br
Copyright © 2006-2017  - Todos os direitos reservados