Rádio Campo Maior AM
Canudos FM
SM Publicidade
Fundação Canudos
Quixeramobim
Fale Conosco
Você concorda com o aumento no número de vereadores em Quixeramobim nas eleições de 2020?




 
Sábado, 18 de novembro de 2017.
Clique aqui para ouvir nosso Jingle
No ar: Manhã 106
No ar: Sábado é Show
 
 
24/01/2013
Grupo de Leituras “Sertões e Memórias” conclui estudo da 4ª Expedição

No último dia 14 de janeiro, o grupo de leituras “Sertões e Memórias” reuniu-se na casa de conselheiro e, na ocasião, concluiu o estudo da 4ª expedição, dos “Sertões”. A seguir, acompanhe o texto de João Paulo Barbosa.

Chegamos à casa do velho profeta um pouco depois das horas da Ave Maria, já com o peso da saudade posterior ao término do desbravamento d’Os Sertões. Estamos ao final da luta. 4ª Expedição. Sob o comando do General Artur Oscar organizaram-se em 05 de abril de 1897, as forças dessa expedição; 04 brigadas em 02 colunas, com 4.283 soldados. Com roteiros diferentes, as duas colunas encontrar-se-iam em Canudos.

“Vê

A matadeira vem chegando
No alto da favela
No balanço da justiça
Do seu criador

Salitre, pólvora,
Enxofre, chumbo

O banquete da terra
Teatro do céu
O banquete da terra
Teatro do céu

Diz aí quem vem lá,
O velho soldado
O que traz no seu peito?
A vida e a morte
E o que traz na cabeça?
A matadeira
E o que veio falar?
Fogo”

A 1ª coluna, comandada pelo general Artur Oscar Andrade Guimarães, seguiu pelas estradas de sempre, partindo de Monte Santo (BA), em 19 de junho, com 1.933 soldados. Foi atacada no Morro da Favela. Depois de insucessos e ataques juntou-se à 2ª coluna.

A 2ª coluna, comandada pelo general Cláudio do Amaral Savaget, com 2.350 homens, partiu de Jeremoabo (SE), em 16 de junho, chegando a Canudos pela Serra de Cocorobó ao norte, onde venceu os jagunços. Os sertanejos foram encurralados em Canudos, resistindo à superioridade de homens e armamentos, sob os tiros da matadeira (canhão) e de dinamites.

Ali, mais uma vez discutimos a resistência e a força dos conselheiristas, como também suas estratégias para sobreviverem e não se entregarem. Ora, como produzir alimentação no meio de uma guerra? Eram duas guerras: uma contra o exército, de fato, e outra contra o exército, de novo, para tomarem a alimentação dos soldados. Uma guerra ligada à outra, pois sem alimentação os soldados ficariam em trapos, feitos zumbis que saíam dos trens em São Paulo como heróis; heróis porque conseguiram sobreviver. Mas zumbis.

Caminhemos então para o fim da luta. Depois das cinzas do carnaval (15 de fevereiro) retornaremos às cinzas de Canudos, já quase dizimada.  Só nos restarão as cinzas da saudade.
Postado por: João Paulo Barbosa – Coordenador do Grupo de Leitura “Sertões e Memórias”

  imprimir
enviar para um amigo 
voltar
 

Nenhum Comentário

Deixe seu comentário



Outros:
 
 
 
 
Sistema Maior de Comunicação
Rua Monsenhor Salviano Pinto, 507 – Centro CEP 63800-000 Quixeramobim – CE
Fones: (88) 3441.0263 / 3441.1178 Fax: (88) 3441.1209 - E - mail: contatomaior@sistemamaior.com.br
Copyright © 2006-2017  - Todos os direitos reservados